medico especialista que trata neuralgia do trigemeo

O que fazer quando a neuralgia do trigêmeo não responde ao tratamento?

A neuralgia (ou nevralgia) do nervo trigêmeo é uma síndrome dolorosa que leva a uma dor excruciante na região do rosto por onde passa o nervo trigêmeo.
O tratamento preventivo deve ser contínuo e existem várias opções de medicações. Mas existem muitos fatores para uma pessoa não responder a um tratamento.

Mas por que minha neuralgia do trigêmeo não está controlada

Primeiramente, deve ser avaliado se a medicação correta para a Neuralgia foi prescrita, se a dose certa foi alcançada e se foi utilizada adequadamente.

 

Lembrando que não vale o pensamento “ah, mas conheço alguém que tomou um remédio que acabou com a dor”..

 

Isso por que cada pessoa é de um jeito, responde de forma diferente aos medicamentos e a própria neuralgia pode ser diferente.

pessoa com dor do trigemeo que nao passa com remedios

Mas como saber se o remédio estava correto e se a dose utilizada foi adequada?

Na neuralgia do trigêmeo, utiliza-se inicialmente medicamentos de uma classe específica, chamada de anticonvulsivantes (não, você não está com convulsão nem vai ter só por usar esses remédios).

 

Os principais são a Carbamazepina (que possuem várias marcas, como Tegretol); Oxcarbazepina (Oxcarb, Oleptal, Trileptal). Outros medicamentos como Pregabalina, Gabapentina, Fenitoína (Hidantal), Lamotrigina, dentre outros, também podem ser usados.

 

A dose miníma (se não chegar nessa dose, espera-se que o remédio não tenha feito adequado) dos medicamentos é:

 

Carbamazepina: 400-600mg por dia (dividido em 2 ou 3 tomadas). A dose máxima é próxima de 2000mg por dia.

 

Oxcarbazepina: 600-900mg por dia (dividido em 2 tomadas). Pode ser usada doses até 2400mg por dia (ou mais).

Os principais efeitos colaterais desses medicamentos são: Tontura/vertigem; sonolência, náuseas, dentre outros.

 

Caso tenha atingido a dose máxima, ou a pessoa não tenha tolerado o aumento da medicação – com efeitos colaterais limitantes (atenção, a medicação só deve ser parada se o efeito colateral for realmente limitante/impeditivo ao tratamento, pois na maioria das vezes o sintoma é passageiro e não leva a limitações funcionais), o tratamento deve ser revisto.

 

Pode ser associado os medicamentos (usa-se mais de um remédio), pode ser realizado toxina botulínica, ou se o paciente não tiver contra-indicação, deve ser avaliada a cirurgia. Existem vários tipos de cirurgia.  A cirurgia embora possa curar o problema, não deve ser vista como uma cura certa, mas como um tipo de tratamento, que possui alta eficácia no controle das dores. O que se espera é um controle da dor, ou aumento na periodicidade das crises. Os efeitos adversos podem acontecer, mas tendem a ser pequenos, como formigamentos na região da face afetada, que pode persistir por toda a vida (não acontece na maioria das pessoas).

 

Se uma pessoa não responde a um remédio na dose correta, mesmo após ajustes, já é um candidato para a cirurgia. Não é necessário que a pessoa utilize vários remédios para somente depois optar pela cirurgia.

 

A toxina botulínica é uma alternativa para o tratamento preventivo da neuralgia do trigêmeo, principalmente para aqueles que não querem fazer a cirurgia. Se a pessoa tiver uma boa resposta ao tratamento, a aplicação deve ser mantida a cada 3 meses. O remédio pode ser usado em conjunto inicialmente, mas a toxina botulínica pode ser utilizada como tratamento único.